O empresário e o consumo consciente do crédito

O empresário e o consumo consciente do crédito

Entrar numa agência bancária, ter cartão de crédito, ou abrir uma correspondência e deparamos com propaganda oferecendo facilidades para o crédito.

Portanto, não precisamos mais sentar à frente do gerente do banco para justificar as razões de nossa necessidade.

Tomar empréstimos está na ponta de nossos dedos, por isso, pode se tornar uma atitude impulsiva e extremamente danosa.

Tomar o dinheiro resolve de imediato o que nos incomoda, o desconforto financeiro.

Porém, isso oculta ou desvia do foco do importante. Descobrir e resolver o que gera a falta do dinheiro.

Por que o dinheiro não tem sido suficiente?

Rashi, rabino francês que viveu no século X, alertava: os juros cobrados no empréstimo são como picadas de cobra.

Como consultor especializado na recuperação de micro e pequenas empresas com dificuldades financeiras, tenho visto o estrago que o dinheiro fácil faz, até mesmo a pessoas que nada tem de desavisadas.

Acima de tudo, buscamos as causas das dificuldades financeiras das empresas que nos contratam, verificamos as questões de mercado, do produto, do preço e da forma de gestão.

Em mais de 50% dos casos, o que descobrimos é um grau de endividamento alto e que, as vezes, chega ao descontrole e compromete a continuidade da empresa.

Razões mais comuns de endividamento

As razões comuns são bem diferentes das imaginadas pelos dirigentes. Por exemplo, a aquisição de automóveis financiados para uso do proprietário da empresa.

Compra de máquinas para atender a uma demanda de produtos que nunca existiu.

Retiradas de sócio num montante correspondente à necessidade da pessoa física, independentemente de sua capacidade de geração da riqueza.

Novos empréstimos contraídos em volume cada vez maior com a intenção de honrar empréstimos anteriores.

Poucos se sentam para estudar e avaliar o que não tem dado certo e como corrigir. Consequência: Conhecerão a essência do dito pelo também francês La Bruyére: “O aborrecimento entrou no mundo pela mão da preguiça.”

A utilização do crédito de terceiros é compreensível quando tratamos de soluções para problemas inesperados de curto prazo ou de aumentar a capacidade de investimento, desde que, os retornos considerem todos os custos inerentes à operação.

Na era do empréstimo fácil,quando, como se diz por aí, empurramos o problema com a barriga, numa nunca realizável expectativa de que ele se resolva por si mesmo, alimentamos, consequentemente, a ciranda dos lucros bancários e conseguimos aumentar a potência de nossa “dor de barriga”.

Consciente, por definição, é aquele que tem ciência, conhece bem o que faz ou o que deve fazer. Conclusão, o consumo consciente de crédito é aquele que serve para resolver problemas.No entanto, nunca para afastar seus sintomas.

Carlos Alberto Pompeu de Toledo  011-3382-1375

carlos@gcapts.com.br

Fale conosco

Comments are closed